07/06/2015

Em busca do meu pôr do sol

(WeHeartIt)
Eu queria não ter este medo de me arriscar. Não sei mais se foram minhas decepções que fizeram isso comigo ou se é esse meu pensamento de que tudo dará errado que me faz não dar um passo adiante. Apesar de me apegar, tenho a sensação de que farei algo fora de órbita, algo do qual me arrependerei depois.
Talvez eu tivesse que ir a encontros sem hora marcada, não me preocupar com a demora de uma resposta, não julgar os sentimentos de alguém de forma precipitada e pensar menos antes de agir.
Muitas vezes quero sair em busca da minha felicidade, mas acabo não percebendo que ela pode estar bem ao meu lado. Na verdade, apenas quero colocar o pé na estrada, deixar meus medos e inseguranças para trás e não me sentir envergonhada pelo que sinto.
Se me sinto completa ao olhar o pôr do sol, gostaria de que todas as minhas paixões fossem como aquelas cores misturadas no horizonte. Diferente daquelas que só me fizeram ter o dia mais cinza e sem graça de todos.
Mas não quero mais pensar somente em paixões, pois quero viver minha vida sem me prender a alguém. Só não entendo essa vontade repentina de querer ter alguém para dividir as horas do meu dia sem ao menos conseguir concluir minhas tarefas diárias.
Eu quero beijos, sensações e sorrisos diferentes. Mas ao mesmo tempo quero estabilidade e um abraço confortável. Apenas não entendo essa minha confusão de pensamentos e essa minha necessidade de mãos entrelaçadas.
Acho que eu só quero algumas palavras de conforto, um ombro amigo e uma risada que espante todos os pensamentos ruins que habitam minha mente. É que eu preciso do meu próprio pôr do sol, mesmo que o dia fora da janela esteja nublado.
Na verdade, eu quero que as cores do pôr do sol fiquem presentes no meu coração e de lá somente saiam para colorir outras vidas ao meu redor. Eu sou, sim, essa confusão, mas ao mesmo tempo sou a certeza de que tudo um dia será perfeito para mim. E bom, eu já sei que estou vivendo os melhores pores do sol da minha vida.

Vanessa Esteves


[Escrito às 01:40 do dia 06 de junho de 2015.]

Nenhum comentário:

Postar um comentário